Torre de Babel: 46 são presos em operação contra tráfico, roubo, furto e desvio de carga

São Paulo

Ação desmontou organização criminosa que atuava em Brasília e mais 14 cidades brasileiras. Policiais civis chegam a Brasília com apreensões da operação Torre de Babel
TV Globo/Reprodução
A Polícia Civil prendeu 46 pessoas em Brasília e em mais 14 cidades brasileiras na operação Torre de Babel – a ação desmontou uma organização criminosa suspeita de praticar crimes como tráfico de drogas, roubo, furto e desvio de carga. O balanço foi divulgado nesta quinta-feira (11), no Distrito Federal.
Veja o resumo em cada unidade da federação:
Distrito Federal e Entorno: 18 prisões; 3 carros e R$ 80 mil apreendidos; 23 mandados de busca e apreensão cumpridos
Santa Catarina: 16 prisões; 17 carros apreendidos; 25 mandados de busca e apreensão cumpridos
Bahia: 4 prisões; 3 carros e 1 colete a prova de balas apreendidos; 1 mandado de busca e apreensão cumprido
Pernambuco: 3 prisões; 3 mandados de busca e apreensão cumpridos
Paraná: 2 prisões; 2 carros apreendidos; 8 mandados de busca e apreensão cumpridos
São Paulo: 2 prisões; 2 mandados de busca e apreensão cumpridos
Mato Grosso do Sul: 1 prisão; 2 mandados de busca e apreensão cumpridos
Além das prisões, foram encontrados cerca de R$ 80 mil em dinheiro dentro do fundo falso de uma caminhonete atribuída a Antônio Cesar Campanaro, conhecido como Toninho do Pó. Ele é apontado pela polícia como chefe de uma organização criminosa ligada ao tráfico de entorpecentes.
Operação Torre de Babel: policiais encontram dinheiro em fundo falso de caminhonete no DF
De acordo com a Polícia Civil do DF, dois mandados de prisão devem ser cumpridos nos próximos dias.
A investigação
O operação Torre de Babel, coordenada pela Divisão de Repressão ao Crime Organizado, começou com a investigação de Toninho do Pó.
Ao fim, a polícia descobriu tratar-se de uma organização criminosa interestadual também dedicada a roubos, furtos e desvios de cargas. O material era revendido em outros estados.
Entrevista coletiva da Polícia Civil do DF sobre a operação Torre de Babel
Hamanda Viana/G1
De acordo com as investigações, o líder da organização contava com o apoio de dois “braços” para praticar roubos e furtos de cargas. Eles teriam recrutado motoristas e falsificado as notas fiscais dos produtos roubados, além de registrado falsas ocorrências de roubo e furto de carga.
Na outra frente de atuação, “Toninho do Pó” recebia ajuda de um homem que, segundo a polícia, mantinha “vigorosa atuação na seara do tráfico de drogas”.
Avião da FAB foi usado para levar presos de Santa Catarina para Brasília
Polícia Civil/Divulgação
Torre de Babel
O nome da operação refere-se à grande quantidade de cidades alvos da atuação do grupo criminoso e, também, ao grande número de forças mobilizadas para desarticular o esquema.
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.