Gilmar Mendes manda arquivar inquérito que investigava deputado Beto Mansur

São Paulo

Deputado era investigado por suposto recebimento ilegal de valores da empreiteira Odebrecht. Ele sempre negou irregularidade. Decisão de ministro do STF contrariou entendimento da PGR. O deputado Beto Mansur (MDB-SP), um dos vice-líderes do governo, durante entrevista no Salão Verde da Câmara
Fernanda Vivas/TV Globo
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou arquivar o inquérito que investigava o deputado federal Beto Mansur (MDB-SP), um dos vice-líderes do governo na Câmara.
Mansur era investigado em um desdobramento da Operação Lava Jato pelo suposto recebimento de valores da empreiteira Odebrecht sem declaração à Justiça Eleitoral.
O deputado sempre negou irregularidade. Segundo ele, as doações foram efetuadas dentro da legislação vigente à época e constam de prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral.
O arquivamento contrariou o entendimento da Procuradoria Geral da República, que havia pedido o prosseguimento da investigação.
Segundo o inquérito, Mansur teria atuado para favorecer interesses da construtora em Santos (SP), onde foi prefeito entre 1997 e 2004.
Ele teria recebido R$ 550 mil, dos quais R$ 300 mil doados pelo departamento que pagava propina e R$ 250 mil de doação oficial realizada pela empresa Agro Energia Santa Luzia.
Trata-se do oitavo inquérito relacionado à Lava Jato arquivado no STF desde junho contra pedidos da PGR.
A Procuradoria já recorreu em seis casos, mas ainda não há previsão de datas para julgamento dos recursos, que serão analisados pela Primeira e pela Segunda Turma do Supremo, a depender do relator.