Mulheres e crianças são sequestradas durante ataques do Estado Islâmico na Síria

Mundo

Ataques coordenados do grupo extremista deixaram mais de 250 mortos na província de Sueida, na semana passada. Carros ficam danificados após ataque suicida nesta quarta-feira (25) em Sweida, na Síria
Sana via AP
Ao menos 36 mulheres e crianças foram sequestradas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) durante o ataque da semana passada na província meridional síria de Sueida, anunciou nesta segunda-feira a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).
As mulheres e crianças da comunidade drusa, majoritária na província, foram sequestradas em ataques coordenados pelos extremistas no dia 25 de julho e que deixaram mais de 250 mortos, segundo o OSDH.
Entre os reféns, 20 são mulheres e 16 são crianças, de acordo com a ONG e um site de notícias da região, Sueida 24, citados pela France Presse.
Confrontos
Na quarta (25), pelo menos quatro integrantes do Estados Islâmico, usando cinturões com explosivos, provocaram explosões em Al Sweida, na província de Sureida, que é controlada pelo regime de Bashar Al-Assad.
Artefatos também foram detonados em diferentes pontos da cidade. As forças do regime iniciaram, então, uma contraofensiva para conter a ação dos extremistas.
O balanço de mortos foi um dos mais elevados desde o início do conflito na Síria, em 2011. A guerra no país se intensificou com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos jihadistas. Mais de 350 mil pessoas morreram.