Fim de semana será quente e seco em SP; chuva deve chegar na segunda

Natureza

Segundo o Inmet, início da semana deve ter baixas temperaturas. Tempo seco na cidade de São Paulo
Reprodução/TV Globo
O fim de semana deve ser seco e de altas temperaturas na cidade de São Paulo, segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Já na segunda-feira (30), após mais de cem dias de estiagem, uma frente fria promete trazer a tão aguardada chuva.
Veja a previsão do tempo
O tempo deve continuar seco no sábado (28), com temperaturas variando entre 15°C e 28°C. No domingo (29), a frente fria começa a se aproximar da cidade e aumentar a umidade e baixando a temperatura. Os termômetros devem variar entre 17ºC e 29ºC.
A segunda-feira, já com a frente fria, deve registrar 17°C de temperatura mínima e 22°C de máxima. A terça-feira (31) também tem previsão de chuva e termômetros que variam entre 14°C e 17°C.
Nível dos reservatórios cai em SP
100 dias sem chuva
A Região Metropolitana de São Paulo não tem uma grande chuva há 100 dias. A última precipitação volumosa foi no dia 16 de abril, segundo o Inmet. Desde então, não houve nenhuma chuva acima de 10 milímetros na área.
Além do tempo seco e a poluição, o nível dos reservatórios que abastece o Estado preocupa, porque cai a cada dia. O sistema Cantareira, responsável pelo abastecimento de aproximadamente 40% da Grande São Paulo, tem menos da metade da capacidade. O sistema teve apenas dois dias de alta desde 1º de abril, início do período de estiagem.
Em 26 de julho de 2013, ano da pré-crise de abastecimento, o índice era melhor: 53,8%.
A represa Guarapiranga também tinha uma situação melhor em 2013. Naquele ano, a capacidade estava em 91,2%. Hoje, tem 63,8%.
A Sabesp diz que as obras de interligação dos rios e de construção do sistema São Lourenço, inaugurado em abril, são suficientes para compensar o esvaziamento dos reservatórios.
“Nós não temos uma crise hídrica. Nós temos uma condição climática desfavorável. Não dá para comparar com o que era a crise climática naquele momento, porque a crise climática naquele período de 2014 se refletiu no abastecimento. Hoje nós não temos essa condição. O abastecimento está normal dentro da região metropolitana de São Paulo”, disse o superintendente de produção de água da região metropolitana de São Paulo da Sabesp, Marco Antonio Lopez Barros.
Mas, especialistas apontam que é hora de começar a se preocupar com os índices e economizar.
Para a coordenadora da Aliança pela Água, Marússia Whately, movimento fundado durante a crise, que reúne ONGs e especialistas que estudam o tema, os índices não devem ser ignorados.
Um professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP também diz que, baseado no que vimos no passado recente, é hora de ligar um alerta.
Veja o nível dos reservatórios nesta sexta-feira (27), conforme o site da Sabesp, que atualiza a situação dos mananciais:
Cantareira: 40,2%
Alto Tietê: 53,1%
Guarapiranga: 63,5%
Alto Cotia: 59,%
Rio Grande: 74,4%
Rio Claro: 67,5%
Faz 100 dias que não chove para valer na Região Metropolitana de SP