Marinha autoriza ampliação da profundidade do canal de navegação do Porto de Santos, SP

São Paulo

Aumento de 30 centímetros representa ganho operacional ao complexo portuário, o principal do país. Embarcação realiza dragagem no Canal do Porto de Santos, SP
José Claudio Pimentel/G1
A Marinha do Brasil autorizou ampliar em 30 centímetros a profundidade máxima no canal de navegação do Porto de Santos, no litoral paulista. A decisão já foi homologada pela Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) e notificada oficialmente à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a autoridade portuária.
A mudança faz com que o calado operacional (fundura máxima permitida para o casco do navio) torne-se 13,5 metros, em condições normais (maré zero), a partir deste mês, ante os 13,2 metros que vigoravam desde o início deste ano. No caso de maré alta, a nova profundidade liberada pela Marinha atingiu 14,5 metros.
Os novos parâmetros são válidos para os trechos 1 (Barra até o Entreposto de Pesca), 2 (Entreposto até as Torres de Energia) e 3 (Torres até a região da Alemoa). O trecho 4, onde o Canal do Estuário está interligado ao Canal de Piaçaguera para os terminais de Cubatão, permanece com calado de 12,7 metros.
A ampliação da profundidade é resultado das obras de retirada de sedimentos realizadas no canal de navegação, e foram conferidas a partir de exames batimétricos realizados pelas autoridades marítima e portuária, e também pela Praticagem de São Paulo. A dragagem de manutenção deve manter os novos parâmetros.
Na prática, o aumento da profundidade e, assim, do calado operacional do Porto de Santos representa ganho de eficiência e produtividade. Quanto maior a ampliação, mais cargas os navios podem transportar durante as escalas para embarque e desembarque de mercadorias no cais, o principal do país.
Navio entra no Canal do Porto de Santos, SP
Ivair Vieira Jr/G1