Uruguai e Portugal: das disputas territoriais às liberdades individuais, veja curiosidades sobre os países rivais nas oitavas da Copa

Mundo

Os europeus tentaram tomar a região onde hoje é o Uruguai durante o período colonial. Séculos depois, os dois países adversários nas oitavas da Copa do Mundo têm legislações consideradas liberais em relação aos costumes. Copa de Indicadores: Uruguai x Portugal
Arte/G1
Se, na Copa do Mundo, Portugal tentou escapar de um confronto com o Uruguai nas oitavas de final, na história dos países foi diferente: o país europeu tinha interesse nas terras uruguaias, ao norte do Rio da Prata, na época das colônias, e chegou a dominá-las.
No campo, espanhóis e portugueses brigaram no Grupo B para não enfrentar os uruguaios no mata-mata. Até o século XIX, porém, as duas nações ibéricas disputavam quem ia controlar a região onde é hoje o Uruguai.
A muralha que fica na entrada do centro histórico de Colonia
Flávia Mantovani/G1
Em alguns momentos, Portugal chegou a ocupar o atual território uruguaio. No primeiro deles, em 1680, os portugueses fundaram a Colônia de Sacramento bem às margens do Rio da Prata — mas perderam lugar para a Espanha logo em seguida.
Quase um século e meio depois, em 1816, os portugueses invadiram a chamada Banda Oriental do Uruguai para expandir o território do Brasil em direção ao sul e por lá ficaram. Tanto que, após Dom Pedro I dar o grito da Independência, o território uruguaio — chamado ainda de Província Cisplatina — chegou a fazer parte do Império Brasileiro até 1828.
Juan Zas exibe dois pacotes de maconha legal comprados em uma farmácia do centro de Montevidéu, no Uruguai. A maconha está sendo vendida em 16 farmácias do país, o último passo na aplicação de uma lei de 2013 que fez o Uruguai legalizar o mercado de maconha cobrindo toda a cadeia de produção, da plantação à venda
Matilde Campodonico/AP
Liberais nos costumes
Tanto Portugal quanto Uruguai aprovaram leis consideradas vanguardistas em relação aos direitos individuais nas últimas décadas.
Apesar da população religiosa, os portugueses autorizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2010, antes de países considerados mais liberais, como França e Alemanha.
Participante da Parada Gay de Lisboa neste sábado (18) ergue cartaz em que se lê ‘é tudo amor’
Reuters/Rafael Marchante
No Uruguai, pessoas do mesmo sexo também podem se casar desde 2013 — depois de Brasil e Argentina.
Além disso, o Uruguai segue como o único país da América do Sul a ter legalizado o uso recreativo da maconha — ainda que os efeitos da medida continuem sendo motivo de debate por lá. Em Portugal, apesar da ilegalidade da droga, usá-la não dá cadeia.
Mulheres realizam manifestação a favor do aborto no Uruguai.
Matilde Campodonico / AP Photo
Os dois países também têm em comum a legalização do aborto. Os portugueses deram voto favorável ao direito à interrupção da gravidez durante as 10 primeiras semanas de gestação em plebiscito ainda em 2007, um dos primeiros do mundo.
O Uruguai descriminalizou o aborto em 2012, mas estabeleceu que as mulheres que desejam abortar passem por consultas médicas e psicológicas.
Territórios pequenos
O Uruguai é pequeno para padrões sul-americanos, com cerca de 176,2 mil quilômetros quadrados. Só o Suriname e a Guiana Francesa ocupam menos espaço na América do Sul.
Ainda assim, os uruguaios desfrutam de uma área quase duas vezes maior do que a de Portugal. O território português não passa dos 92,3 mil quilômetros quadrados, quase um quinto do tamanho da vizinha Espanha.
Em comparação com o Brasil, quinto maior país do mundo, os dois países têm tamanhos similares a de estados brasileiros — e, ainda assim, menor do que boa parte deles. Somadas, as áreas de Uruguai e Portugal sequer ultrapassam a extensão territorial de Minas Gerais, Goiás e Bahia.
Algarve, Portugal
Globo Repórter/ Rede Globo
Copa de Indicadores
Em comum, Portugal e Uruguai passaram por ditaduras e turbulências econômicas no século passado que levaram a um grande êxodo de jovens. Ambos os países têm grandes comunidades em outros países da América do Sul e Europa.
O início do século XXI, porém, foi marcado por crescimento econômico e melhoras nos indicadores dos dois países. Portugal, inclusive, saiu bem da crise. O turismo e a construção civil devolveram o otimismo aos portugueses.
tempestade em Montevidéu
Mariana Suarez / AFP Photo
No Uruguai, a estabilidade política e econômica permitiram que o país continuasse ostentando bons índices sociais. O analfabetismo está quase erradicado e há apenas cerca de 7% de desempregados no país.
Esses números, no entanto, são os únicos em que Uruguai vence Portugal na “Copa de Indicadores” que o G1 preparou. Na disputa, nivelada por cima, os portugueses apresentaram quatro índices ligeiramente melhores do que os rivais (veja tabela no topo da reportagem).