Lixo em terreno preocupa moradores de Ferraz de Vasconcelos

São Paulo
Especialistas destacam que esse problema pode gerar danos à saúde e ao meio ambiente. Moradores reclamam de montanhas de lixo acumulados em terrenos da região
Moradores de algumas cidades do Alto Tietê sofrem com o lixo acumulado em ruas e terrenos. Em alguns casos, a própria Prefeitura que deveria zelar pela saúde dos moradores é a responsável pelo acúmulo de lixo. Isso é o que denunciam os moradores da Rua Francisco Esperândio na cidade Kemel em Ferraz de Vasconcelos.
Eles afirmam que uma montanha de lixo foi retirada de algumas ruas do bairro, enquanto outros dizem que foi a Prefeitura quem largou no local os resíduos depois das cobranças de limpeza. “Eu queria que o prefeito viesse aqui na rua para ver o que eles fizeram, uma pirâmide de lixo. E continuam colocando fogo, é uma fumaçã horrível. Foi a Prefeitura quem fez a pirâmide e não recolheu”, explica a aposentada Ita Maria de Jesus.
Desde abril, os moradores da rua reclamam da situação do lixo. Prefeitura e moradores precisam colaborar com o bem-estar de todos.
Mesmo que o terreno seja da Prefeitura, isso não tira a responsabilidade dos moradores em também manter o local limpo.
Os vizinhos contaram que pessoas de outros bairros e cidades chegam no local de caminhão para descarregar todo tipo de material.
A Prefeitura, como dona da área, também não faz nada nem para impedir o descarte irregular e muito menos cuida do que é dela.
Além disso, tem o mato alto, que deveria ser de responsabilidade do poder público, assim como a iluminação que ainda é um problema. “Eles arrumam e daqui a 10, 15 dias tá quebrado de novo. E fica todo mundo no escuro. Eu ia para igreja e nem vou mais por causa da escuridão”, conta a dona de casa Aparecida Marcelina.
A Secretaria de Serviços Urbanos de Ferraz de Vasconcelos informou que o lixo da parte da frente do terreno já está pronto para ser retirado. A secretaria destacou que espera a chegada de cinco caminhões para fazer essa retirada.
Segundo a secretaria, esses caminhões devem chegar à Prefeitura na próxima semana.
A pasta afirmou ainda que, depois dessa etapa, vai ser a parte de trás do terreno, que vai ser preparada para receber os serviços. Sobre a iluminação, a secretaria disse que nessa semana já está sendo feita a troca de lâmpadas na área e a limpeza em torno das escolas do bairro.
Prejuízos ao meio ambiente e à saúde
O ambientalista Helder Wuo destaca que os entulhos de material orgânico podem contaminar o solo.
Ele explica que conforme o material se decompõe, ele se infiltra no solo e contamina ainda o lençol freático. “Essa água vai para os rios e os contamina. Para recuperar a área contaminada é preciso um trabalho especializado feito pela Cetesb que analisa o tipo de resíduo na região e determina o que precisa ser feito.”
Wuo diz que se for outro tipo de material, além de ser retirado a área precisa ser isolada. “Para os materiais descartáveis, como construção, as prefeituras deveriam ter um ecoponto para isso e fazer a recuperação dessse material.”
O ambientalista chama a atenção que o fogo no lixo pode provocar ao meio ambiente. “Os moradores pela falta de consciência e na tentativa de resolver o problema criam outro problema com o fogo no lixo. Porque essa fumaça vai contaminar o ar. Com a queima você gera poluentes. Essa não é solução para resíduos sólidos que devem ser enviados para um aterro sanitário.”
O intefctologista doutor Jean Carlo Gorinshteyn reforça que a saúde dos moradores pode ser afetada pelo acúmulo de lixo.
Doenças como a dengue a leptospirose podem contaminar os moradores. “Os roedores se proliferam atraídos pelo lixo, assim como as moscas e baratas. As moscas saem dali e vão até as casas ondem pousam em comida e desenvolvem diarréia e outras doenças. E também esse entulho é local para reprodução do Aedes aegypti. A fêmea deposita ovos e na mínima quantidade de chuva soltam novos mosquitos. Os ovos podem demorar um ano para eclodir. Já os ratos nas casas em dias de chuva se urinarem na água empoçada pdoe provocar leptospirose.“