Célebre advogada dos direitos humanos é detida no Irã, denuncia marido

Mundo

Nasrin Sotoudeh foi levada a prisão de Teerã onde são mantidos vários presos políticos, segundo relato do marido. A advogada iraniana Nasrin Sotoudeh em 1º de outubro de 2008
AFP
A advogada iraniana dos direitos humanos Nasrin Sotoudeh, premiada no exterior por sua luta, foi detida nesta quarta-feira (13) – denunciou seu marido no Facebook.
“Nasrin foi detida em casa há algumas horas e transferida para Evin”, escreve seu marido, Reza Khandan, referindo-se à conhecida prisão de Teerã, onde são mantidos vários presos políticos.
A advogada, de 55 anos, um símbolo do ativismo em favor dos direitos humanos no Irã, defendeu recentemente várias mulheres detidas por terem tirado do véu em público, em protesto contra a obrigação de usá-lo desde a Revolução Islâmica de 1979.
Sotoudeh defendeu jornalistas e ativistas, como a advogada e Prêmio Nobel da Paz Shirin Ebadi, assim como opositores detidos durante as grandes manifestações de 2009 contra a reeleição do presidente ultraconservador Mahmud Ahmadinejad.
Em 2012, Nasrin Sotoudeh conquistou o Prêmio Sakharov concedido pelo Parlamento europeu.
Três anos presa
Ela passou três anos presa entre 2010 e 2013 por ter agido, segundo as autoridades, “contra a segurança nacional” e por ter disseminado “propaganda antirregime”. Durante sua detenção, fez duas greves de fome para protestar contra as condições de detenção na prisão de Evin e contra a proibição de ver seus filhos.
Foi solta em setembro de 2013, pouco antes de o presidente moderado, então recém-eleito, Hassan Rohani, assistir à Assembleia Geral da ONU.
Em troca, foi proibida de exercer sua profissão em casos políticos, assim como de deixar o país até até 2022.