Com vazão 61% menor do que média para junho, Rio Piracicaba tem banco de areias que revelam lixo acumulado

São Paulo
Nível do manancial também está abaixo da média histórica e do registrado em junho de 2017. Período de estiagem afeta Rio Piracicaba
A vazão do Rio Piracicaba está 61,32% abaixo da média histórica para junho, segundo os dados desta terça-feira (12) da Sala de Situação das Bacias PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí). O índice também é 46% menor do que o registrado em junho do ano passado, o que revela a situação preocupante do manancial de Piracicaba (SP).
O rio tem vazão de 36,36 metros cúbicos por segundo nesta terça-feira. O dado mostra a quantidade de água que percorre um trecho do manancial. A média histórica registrada para junho pela Sala de Situação é de 94,01 m³/s.
A reportagem da EPTV, afiliada da Rede Globo, esteve no rio nesta terça e conseguiu andar por onde deveria ter água. O banco de areia próximo à Estrada do Bongue revela os entulhos que ficam acumulados no fundo do manancial.
Em outro ponto, próximo ao Parque do Mirante, a queda d’água que é atração turística da cidade está pequena e as pedras são reveladas. Já na altura do Engenho Central, o volume de água é maior, mas também há aparição de pedras.
Nível
O nível do rio é de 1,27 metro nesta terça, índice 27,57% menor do que a média, que é de 1,75 metro. Já em relação ao mesmo período do ano passado, a redução é de 22,13%.
Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba