Ex-presidentes peruanos Kuczynski, García e Toledo investigados por caso Odebrecht

Mundo

As investigações começaram após os interrogatórios feitos pela procuradoria peruana ao brasileiro Jorge Barata, ex-chefe da Odebrecht no Peru. A procuradoria peruana abriu uma investigação preliminar contra os ex-presidentes Pedro Pablo Kuczynski, Alan García e Alejandro Toledo, acusados de receber supostas contribuições ilegais da construtora brasileira Odebrecht para suas respectivas campanhas eleitorais, informou neste domingo o Ministério Público.
O ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski deixa o Palácio Governamental após apresentar carta de renúncia ao Congresso em Lima, em março deste ano.
Mariana Bazo/ Reuters
O procurador José Domingo Pérez abriu Investigação Preliminar por lavagem de ativos contra os ex-presidentes Alejandro Toledo Manrique, Pedro Pablo Kuczynski e Alan García, além de outras três pessoas próximas a cada um deles, disse a procuradoria em sua conta no Twitter.
As investigações começaram após os interrogatórios feitos pela procuradoria peruana ao brasileiro Jorge Barata, ex-chefe da Odebrecht no Peru, em fevereiro passado em São Paulo.
O diretor confessou que distribuiu milhões de dólares entre os candidatos à presidência peruana entre 2001 e 2016.
“Todas as partes foram notificadas das respectivas disposições que incluem a programação de diversas diligências”, indicou a procuradoria em outro tuíte.
Barata declarou nessa ocasião que entregou 300.000 dólares para a campanha de Kuczynski (2016-2018) através da banqueira Susana de la Puente, que também será investigada e foi embaixadora do Peru em Londres.
O ex-diretor indicou que a Odebrecht contribuiu, ainda, com as campanhas de Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016), segundo revelou meses atrás o portal IDL-Reporteros, que periodicamente divulga informações sobre este escândalo.
A líder opositora Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, também recebeu dinheiro para a sua campanha. No entanto, em seu caso, a procuradoria investiga seus dois chefes de campanha em 2011.
“Nas eleições de 2011, a Odebrecht contribuiu ou canalizou contribuições a quatro candidatos”: 3 milhões de dólares a Humala; 1,2 milhão a Fujimori, 700.000 dólares a Toledo e 300.000 dólares a Kuczynski, disse Barata aos procuradores, segundo o portal.
A Odebrecht havia admitido anteriormente que desembolsou subornos no valor de 29 milhões de dólares no Peru entre 2005 e 2014, ao longo dos governos de Toledo, García e Humala.
O ex-presidente Humala já é investigado pela procuradoria por ter recebido três milhões de dólares da Odebrecht para sua campanha.
A investigação formal da procuradoria se concretiza após ter terminado de revisar as transcrições e traduções oficiais das autoridades brasileiras dos interrogatórios.
O Peru é, depois do Brasil, o país mais afetado na América Latina pelo escândalo de corrupção da Odebrecht.
Kuczynski se tornou no último 21 de março o primeiro presidente da região a renunciar ao cargo devido ao suposto envolvimento de suas empresas em negócios com a Odebrecht, quando o hoje ex-governante e ex-banqueiro de Wall Street era primeiro-ministro no governo de Toledo.